A língua é como um rio: sem margens, desaparece. O risco começa no seu abastardamento.

João Carreira Bom, Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

A língua é um elemento fundamental da identidade de qualquer pessoa.

Patriotismo à parte, é bom falar e escrever na nossa língua – português (de Portugal). Afinal, foi nessa língua que dissemos as primeiras palavras, escrevemos as primeiras frases, criámos as nossas memórias de família e conhecemos os nossos amigos de infância.

Porque haveríamos de descurar isso?

Para parecermos mais cultos ou inteligentes?

Para sentirmos que fazemos parte de um grupo, para mostrar que conhecemos a gíria?

Porque ouvimos alguém — supostamente entendido em determinada área profissional — a falar de outra forma?

Utilizar termos noutra língua (nas últimas décadas é o inglês que está no top) pode parecer espetacular, mas acaba por dar um ar ostensivo e mostrar que não nos demos ao trabalho de procurar a palavra correta em português.

Falar e escrever em português revela mais conhecimento e cuidado na comunicação, o que acaba por ser mais profissional, respeitável e elegante.

Se vamos escrever numa língua, seja ela qual for, que se escreva nessa língua. Não seria estranho afirmar “I have saudades of you“?

Se temos uma palavra portuguesa para expressar um conceito, por que razão haveríamos de usar um estrangeirismo? Porque nos soa estranho utilizar determinado termo em português?

Se for por isso, o meu conselho é começar a usar a palavra portuguesa e garanto que, passando pouco tempo, o que vai parecer estranho é usar outra palavra que não a portuguesa.

Não seria estranho ir a uma padaria e pedir meia dúzias de breads? Provavelmente, o funcionário até compreenderia o nosso pedido, mas suspeito que iria achar-nos muito snobs.

Como em tudo, há exceções

Tal como a palavra “saudade” em português, há palavras que apenas retêm todo o seu significado se pensarmos nelas na sua língua-mãe. Esses estrangeirismos mantêm-se inalterados e podem ser usados com segurança, devendo ser escritos em itálico ou entre aspas.

Design, por exemplo, é uma palavra rica, que engloba todas as traduções que poderemos imaginar. “Conceber”, “desenhar”, “pensar”, “conceptualizar” ou “projetar”, por exemplo, dão uma ideia do que se pretende transmitir, mas sente-se que falta algo, que são palavras incompletas para expressar todo o conceito.

Design, para mim, é tudo, desde ter a ideia até à forma como funciona, passando pelo desenho da peça ou o fluxo do serviço. Nenhuma daquelas palavras em português dá a mesma plenitude.

Por outro lado, há palavras e expressões que são corretas em português, mas que não é comum usarmos de determinada forma. Por exemplo, palavras como “melhoramento” (melhoria) ou “competidor” (concorrente).


Para que serve esta lista?

Há vários motivos pelos quais me dediquei a escrever este texto e passei várias horas a listar os estrangeirismos e respetivas traduções (as boas e as más).

1. O primeiro é porque lido diariamente com profissionais de marketing digital, comércio eletrónico, informática e design e oiço constantemente coisas como “as empresas precisam de inovar”, “fazem tudo como antigamente” ou mesmo “é tudo em papel” e pergunto-me como é que queremos trazer a inovação para essas empresas se começamos a utilizar jargão técnico que as pessoas desconhecem (e ainda o fazemos noutra língua para agravar).

Por exemplo, não é mais fácil de entender se afirmarmos que “é necessário ter uma estratégia de conteúdos e publicar regularmente nas redes sociais, estando atento ao desempenho”, em vez de afirmarmos que “é necessário ter uma estratégia de content marketing e fazer posts regularmente em social media, estando atento à performance“?

Pois é…

2. O segundo motivo é mais altruísta. Quero ajudar essa gente boa a expressar-se corretamente em português (o de Portugal), não só porque é bonito mas também porque temos de fazer apresentações para clientes importantes, diretores de outras equipas e gestores ou administradores de empresas – e estas pessoas ligam muito a isso.

Em marketing digital, comércio eletrónico e informática a situação é gritante (suspeito que noutras áreas também, mas é com estas que lido diariamente) e acredito piamente que se pode comunicar eficazmente em português sem perder significado e sem perder credibilidade — sinceramente, até se ganha.

Faço isto, não por ser um erudito na área, mas porque também eu, ingenuamente, fiz parte do grupo daqueles que acham que em estrangeiro é melhor (porque dá a entender que conhecemos os termos hip e sabemos falar de forma cool durante algum tempo – é top! Tive sorte de estar rodeado por pessoas que tiveram a boa-vontade de me ajudar a escrever e a falar melhor em português.

3. O terceiro motivo tem uma perspetiva ligeiramente anti-orwelliana. O português tem muitas palavras e, com tanto ruído e distrações nos canais digitais, nem pensamos termo mais adequado em português. Utilizamos o que ouvimos ou lemos numa peça qualquer e que nos parece adequado para expressar o conceito que queremos transmitir.

4. O último motivo é de caráter ligeiramente egoísta: fico com azedume ao ouvir tanta gente boa a usar estrangeirismos porque acha que vai parecer mais erudito, mas que acaba a parecer ridículo. Por outras palavras, bullshitting… (Não resisti à ironia.) 🙂

Se o texto transparecer um tom patriótico, é pura coincidência. Considero que devemos comunicar bem e sermos rigorosos em qualquer língua. Calhou da minha língua-mãe ser o português, mas já que o é, quero dar-lhe bom uso.

Recursos adicionais

Aproveito para recomendar alguns recursos que me ajudam a escrever e falar em português da melhor forma.

O objetivo ulterior desta lista é ajudar outros profissionais a falar e escrever melhor.

comunicação em massa
A imagem que me vem à cabeça quando oiço a expressão “comunicação em massa”.

As expressões estão ordenadas alfabeticamente, seguidas da tradução que considero mais adequada. Também incluí as que considero menos adequadas e que não recomendo o uso.

Algumas das traduções apresentadas como “erradas”, estão assim identificadas porque apesar de estarem corretas em termos gramaticais/ortográficos, não são aquelas que costumamos utilizar (pelo menos no meu entender).

Uma língua tem muitas línguas, por isso não estranhes se determinada tradução favorecer um regionalismo em detrimento de outro (ficarei contente em acrescentar algum que identificares).

Lista de estrangeirismos e tradução correta para português

Ou alternativas quando a tradução soa mal.

Estrangeirismo Tradução correta ou recomendada Tradução errada ou não recomendada
Achievement Conquista
Feito
Realização
Obtenção
Alcançar
Atingir
Atingimento
Asset Ativo
Background Passado
Histórico
Percurso (profissional, académico, etc.)
Enquadramento
Antecedente
Backup Cópia de segurança
Salvaguarda
Batch Lote (como “em lote”)
Benchmarking Aferição
Billion Mil milhões Bilião
Bilhão
Bookmark Marcador
Boom Explosão
Proliferação
Bouquet Ramalhete
Budget Orçamento
Cashflow Fluxo monetário (de uma empresa)
Fluxo de caixa
Chance Hipótese Chance
Check-out Dar saída
Finalizar compra
Checklist Lista
Lista de operações
Lista de verificações
Prontuário
Chief executive officer (CEO) Diretor-geral
Diretor-executivo
Administrador-geral
Administrador-executivo
Click Clique
Competitor Concorrente Competidor
Conference call Audioconferência
Controller Controlador
Coupon Cupão
Current Atual
Atualizado
Ao corrente
Corrente
Customize Personalizar Customizar
Deadline Prazo
Limite
Default Predefinição (“por predefinição”, “está predefinido”)
Padrão
Norma (“por norma”)
Omissão (“por omissão”)
Base (“vem de base”)
Defeito (“por defeito”)
Démodé Antiquado
Fora de moda
Demodé
Deprecated Obsoleto Descontinuado
Design Design (recomendo o estrangeirismo)
Doable Exequível Fazível
Dossier Dossiê Dossier
Ecommerce Comércio eletrónico
Effective Eficaz Efetivo
Email Correio eletrónico
Embed Embutir
Incorporar
Embebido
Imbuído
Endurance Resistência
Engagement Envolvimento
Abordagem
Engrenagem
Engajamento
Experience Experiência
Experimentar
Experienciar
Expert Perito
Especialista
Fancy Sofisticado Extravagante Requintado
FAQ Perguntas frequentes
Dúvidas comuns
Ajuda
FAQ
FAQs
FAQ’s
Feed Feed (recomendo o estrangeirismo, pois é um tecnicismo. A alternativa é “alimentador”)
Feedback Apreciação
Parecer
Crítica
Reação
Feeling Pressentimento
Sensação
Findings Conclusões
First name Nome próprio Primeiro nome
Flop Fiasco
Fracasso
Follow-up (dar) Seguimento
Acompanhamento
Freelancer Freelancer (recomendo o estrangeirismo) Profissional independente
Trabalhador independente
Freelance
Gamification Ludificação Gamificação
Gap Lacuna
Fosso
Go-live Lançamento (de um produto ou serviço)
Guidelines Diretrizes
Linhas de orientação
Guia
Manual
Hobby Passatempo
Homepage Página inicial
Improvement Melhoria Melhoramento
Insight Apreciação
Discernimento
Compreensão súbita
Instant gratification Satisfação imediata Gratificação instantânea
Keyword Palavra-chave
Kick-off Arranque
Pontapé de saída
Know-how Saber-fazer
Conhecimento
Perícia
Landscape Paisagem
Last name Apelido Sobrenome
Último nome
Launch Lançamento
Layer Camada
Layout Disposição
Esquema
Formato
Legacy Legado
Library Biblioteca Livraria
Live Em direto
Ao vivo
Low cost Económico
Baixo custo
Made in Fabricado em
Produzido em
Manageable Gerível
Mass communication Comunicação social
Comunicação de massas
Comunicação em massa
Comunicação de massa
Mass edit/production Edição/Produção em série Edição/Produção em massa
Mass media Meios de comunicação social
Massive Maciço Massivo
Media Média Mídia
Milestone Marco
Patamar
Etapa
Mind set Mentalidade
Meeting Reunião
Monetize Rentabilizar
Capitalizar
Monetizar
Motto Mote
Multiplier Multiplicador
On-going Contínuo
Continuado
On-premises Local/No local
Online Em linha
Outdoor Cartaz publicitário (exterior)
Exterior
Ar livre (outdoors)
Outlook Perspetiva
Prognóstico
Paper Artigo (científico)
Papel
Part-time A tempo parcial
Partner Parceiro
Sócio
Password Palavra-passe
Senha
Palavra-chave
Perceived authority Autoridade percecionada Autoridade percebida
Performance Desempenho
Rendimento
Prestação
Pipeline Conduta
Fluxo
Populate Povoar
Preencher
Popular
Pop-up Pop-up (recomendo o estrangeirismo, pois é um tecnicismo)
Portfolio Portefólio Porfólio
Portfólio
Post, Posted Publicar, Publicado
Afixar, Afixado
Postar
Postado
Print Imprimir
Impressão
Query Pergunta
Consulta
Quiz Questionário
Random, Randomize Aleatório, Aleatorizar Randomizar
Ranking Classificação (ordenada)
Rating Avaliação
Realize Aperceber
Notar
Realizar
Recipient Destinatário Recipiente
Red flag Alerta
Alarme (sinal de)
Refresh Atualizar
Reload Recarregar
Remote Remoto
Remotamente
À distância
Telecomando
Render Render (recomendo o estrangeirismo, pois é um tecnicismo)
Report Relatório
Review Revisão
Opinião (em sentido figurado)
Screening Triar/Triagem
Avaliação inicial
Scroll down/up Deslocar para baixo/cima (uma página web)
Skill Aptidão
Competência
Speaker Orador
Palestrante
Sponsor Patrocinador
Apoio (financeiro)
Slot Ranhura
Espaço (alocado, reservado)
Software Software (recomendo o estrangeirismo)
Programa (de computador)
Stack Pilha
Standard Norma
Strategist Estratego(a)
Streaming Transmissão
Fluxo contínuo
Tab Separador
Aba
Tag Etiqueta
Rótulo
To do Afazeres
Tarefas
Template Modelo
Documento-modelo
Timing Prazo
Momento/Altura
Underscore Underscore (recomendo o estrangeirismo, pois é a gíria informática)
Subtraço
Traço inferior
Sublinha
URLs URL URLs
URL’s
Voucher Vale/Cheque de desconto
Workshop Oficina
Sessão (de formação)


Espero ter contribuído para melhorar ou enriquecer a tua escrita.

Termino com uma sátira em formato musical.

Bárbaros em “Passerelle” – Fausto

um ar "negligé"
furtivo em "dress code"
"cool calm and collected"
outro "enfant gatê"
"whisky on the rocks"

cara estampada em qualquer
"hall"
mesmo imprimida em
"outdoor"
o aedo é "low profile"
o bardo vai "démodé"
o propriamente dito
é "forever" "varietés"
no "glamour" da cidade
no "jet set" a novidade
do atirador furtivo
perdão
do "sniper" a abater
em "open space"
"just in time"
e no "prime time"
e então

o cantor não tem "it"
a voz canora "in blue"
se sou mais eu e tu
e um "partner" todo a nu
sou eu mais tu e "true"

mais adoramos um "spin-off"
erguido em nosso "buzzword"
o "chairman of the board"
em "scoop" em "guide lines"
no "damage control"
da maldição do jacobino
fica aqui já pelas custas
o "study case"
o valdevinos
"out" e "in" na volúpia
do concúbito
um "hat-trick"
bem chique
na "flash-interview"
que mais podemos nós
fazer
do "to do"

somos a "entourage"
brilhante "brain storm"
"made in" em "New York"
"opinion makers" e
"follow-up" informe

e por falar em português
o "flash-back" é amanhã
o "sponsor" do artista
no "casting" da cortesã
na de Rimbaud "en passant"
na de Cervantes era dantes
na de Camões p’ra depois
valha o William
se não nunca
falaríamos nunca mais
jamais
no "ranking" de culturas
império
"shooting-room"
em língua pura
e em vez das quatro
um

e melhor seria
um outro "boom"
via "e-mail"
e em vez do "bug"
bedum

"wait and see"
"me"
mi

Deixe uma resposta